Google Tag Manager

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

A origem do Treinamento TWI


A origem do Treinamento TWI 
Fonte: Wikipedia
Training Within Industry 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre 


http://en.wikipedia.org/wiki/Training_Within_Industry
O Training Within Industry (TWI)  é um serviço que  foi criado pelos Estados Unidos, através do seu  Departamento de Guerra, ocorrendo nos anos de  1940-1945 no âmbito da Comissão Manpower de Guerra.  


O objetivo era fornecer serviços de consultoria para indústrias relacionadas com a guerra, cujo pessoal estava sendo recrutado para o Exército dos EUA, ao mesmo tempo o Departamento de Guerra estava emitindo ordens para material adicional. 

 Era evidente que a escassez de pessoal treinado e qualificado precisamente no momento em que os funcionários eram mais necessários iria impor uma dificuldade nessas indústrias, e estes fomam na época os  únicos métodos melhorados de capacitação para o trabalho que resolveram o déficit [1].  

Até o final da Segunda Guerra Mundial, mais de 1,6 milhões de trabalhadores em mais de 16.500 plantas receberam uma certificação de TWI

Visão Geral
Os quatro programas de formação básica , com cerca de 12 horas de seção cada um, desenvolvidos pelo TWI, foram desenvolvidos em uma situação de emergência por especialistas  através de um empréstimo de consultores do setor privado.

  
Devido à gravidade da situação, um grande número de métodos experimentais foram julgados e descartados.

Isto resultou num conjunto de princípios concentrados, obitdos de uma grande variedade de programas.  

Cada um dos programas de 12 horas teve programas introdutórios chamados "sessões de apreciação" que foram usados ​​para vender os programas para gestão de topo das empresas  e apresentar os programas para média gerência de uma empresa.

 Cada um desses programas de 12 horas de sessão tinha 'Training-of-the-Trainers, um tutor dos programas e manuais chamados "Manual Instituto Maestro" para os treinadores mestres, com 48 horas de duração.
O Serviço TWI também desenvolveu uma série de "Staff".  Somente com programas de treinamento para apoiar o desenvolvimento pessoal e para melhorar o sucesso da implementação.
Os instrutores do TWI tinham de ser convidados por uma fábrica, a fim de apresentar o seu material.  


A fim de comercializar o serviço, eles desenvolveram as cinco necessidades da Autoridade: 
1-  cada supervisor deve ter conhecimento do Trabalho, 2- Conhecimento de Responsabilidade, 3- Competência em instruir, 4- habilidade em melhorar métodos e 5- habilidade em conduzir.
  
Cada programa foi baseado no método de Charles Allen, ou método dos  4-pontos de: 1- Preparação, 2- Apresentação, 3- Aplicação e 4- Verificação
As sessões de 12 horas formaram:

   
Primeira parte do treinamento do TWI- Técnicas de Treinamento do Trabalho, que geraram As Instrução de Trabalho (ITs) - um curso que ensinou formadores (supervisores e trabalhadores experientes) para treinar os trabalhadores inexperientes e levá-los "até a excelência" mais rápidamente. 


Os instrutores foram ensinados a quebrar tarefas em etapas bem definidas, em mostrar os procedimentos enquanto explicavam os pontos-chave e as razões para os pontos-chave, em seguida, assistir a tentativa dos estudantes no âmbito do treinamento de modo próximo e, finalmente, e gradualmente, afastar o aluno do coaching.  
O curso enfatizou o credo: "Se o trabalhador não  aprendeu é porque o instrutor não estimulou".

   
Segunda etapa do TWI - Melhoramento dos Métodos de trabalho (MTs) - um curso que ensina trabalhadores a avaliar objetivamente a eficiência de seus empregos e metodicamente avaliar e sugerir melhorias.  


O curso também trabalhou com uma repartição do trabalho, e os estudantes foram ensinados a analisar cada passo e determinar se houve motivos suficientes para continuar a fazê-lo dessa forma fazendo uma série de perguntas diretas.  

Se eles determinaram algum passo  que poderia ser feito melhor, eliminando, combinando, reorganizando, ou simplificando,  dendro do que estavam a desenvolver, para aplicar o novo método era preciso vendê-lo para o "chefe" e colegas de trabalho, obtendo aprovação com base na segurança, qualidade, quantidade, e de custos,  com a padronização do método novo, e dando "crédito onde crédito é devido."

    Terceira Fase do TWI Melhoramento das
Relações de trabalho (RTs) - um curso que ensinava supervisores a lidar com os trabalhadores de forma eficaz e justa.  


Sublinhou a lição: "As pessoas devem ser tratadas como indivíduos".

    Quarta-Fase do TWI -
Programa de Desenvolvimento (PD) - Um meta-curso que ensina as pessoas com responsabilidades a função de treinamento para auxiliar a organização na linha de produção e na resolução de problemas.
Houve também um curso de curta duração que ensinou o pessoal do sindicato para trabalhar efetivamente com a gerência. Tem uma  Relação com o Lean Manufactoring.


O
financiamento do programa TWI para a aplicação dos programas nos EUA pelo governo terminou em 1945.


 O governo dos EUA fez então a introdução de um fundo para as nações devastadas pela guerra da Europa e Ásia.  

Vários grupos privados continuaram a fornecer os programas de  TWI nos EUA e no exterior.  

Channing Dooley, Walter Dietz, Mike Kane e Bill Conover (conhecidos coletivamente como os quatro cavaleiros) continuaram o desenvolvimento dos  programas e instituiram a Fundação TWI.

 Este grupo foi responsável por continuar a propagação do TWI em toda a Europa e Ásia.  

O Diretor de um dos escritórios distritais estabelecidos do  TWI, Inc., foi contratado pelo governo dos EUA para fornecer treinamento de TWI ao Japão.  

Esta metodologia foi especialmente bem recebida no Japão, onde ps TWIs formaram a base da cultura kaizen na indústria.  

Kaizen, conhecido por nomes como Círculos de Qualidade no Ocidente, foi aproveitado com sucesso pela Toyota Motor Corporation em conjunto com os princípios de Lean ou Just In Time de Taiichi Ohno.  

Na verdade, no Prefácio a "Training Within Industry" livro de Dinero (2005), John Shook relata uma história em que um treinador Toyota trouxe uma cópia antiga de um manual de serviço em TWI para provar-lhe que os trabalhadores americanos em NUMMI poderiam ser ensinado usando os "japoneses" nos métodos utilizados na Toyota. Assim, o TWI foi o precursor do que hoje é considerado como uma criação japonesa.
O TWI teve um impacto direto sobre o desenvolvimento e a utilização do Kaizen e do Trabalho Padronizado na Toyota. Estes elementos fundamentais estão inseridos no sistema funcional da Toyota e Nas Instrução de Trabalho, que é ensinada e utilizada dentro da Toyota hoje.  


A metodologia Kaizen é um descendente direto dos Métodos de Trabalho do TWI , e a maioria das relações de emprego provavelmente teve um impacto sobre o desenvolvimento e a função da equipe e estruturação do Grupo Líder da Toyota.
Muitos dos pontos acima deve ser familiares para os estudantes de W. Edwards Deming, através do  PDCA, do estilo dos programas de formação e até mesmo dos métodos próprios.


 Deming fazia  palestras e  frequentemente incluía as  declarações semelhantes ao slogan do TWI: "As pessoas devem ser tratadas como indivíduos."
Na introdução, do livro,  Dinero, ele vai tão longe como afirmar que uma das principais diferenças entre mais e menos bem sucedidos projetos de Lean foi o seu foco sobre o "elemento humano" durante a implementação. 


Por que o TWI  desapareceu dos Estados Unidos
Uma teoria para o desaparecimento do TWI dentro os EUA após a guerra é o simples fato de que indústria norte-americana enfrentou séria concorrência em 1945 e que desapareceu depois.


 Sem a concorrência numa indústria eficiente, poucos viram a necessidade de continuar a melhorar.  

Ao mesmo tempo, as indústrias estrangeiras tinham sido dizimadas.

 Os países derrotados eram necessários para estabelecer nova indústria, e deviam a rejeitar a cultura antiga. 

 Para esse efeito, consultores de TWI a nível de formadores foram trazidos para a Europa pelas forças de ocupação para lá, e para o Japão por MacArthur durante a ocupação.
Outra teoria é que após a guerra, todo mundo voltou para o "business as usual": força de trabalho "velha", dos que retoram da guerra, voltaram  aos seus trabalhos com costumes anteriores, sem qualquer idéia de "nova cultura", enquanto que a maioria das pessoas treinadas em TWI  voltaram a execer as suas atividades nos seus empregos anteriores, o que levou a cultura do TWI ao desaparecimento nos Estados Unidos.


Referências

    
Graupp, Patrick e Wrona, Robert J. (2006), o livro TWI: Essentials Habilidades para Supervisores, Produtividade Press, ISBN 1-56327-315-2 


    
Dinero, Donald (2005), Training Within Industry: A Fundação de Lean, Produtividade Press, ISBN 1-56327-307-1 


    
Imai, Masaaki (1986), Kaizen: A Chave para o Sucesso Competitivo do Japão, McGraw-Hill/Irwin, ISBN 0-07-554332-X
Ligações externas

    
Arquivos oficiais da Manpower Comissão de Guerra, 

    Raízes do Lean, Jim Huntzinger
    
Por que trabalhar no padrão não é padrão artigo, em relação TWI de Trabalho Padrão, de Jim Huntzinger
    
A Vinda 2 - A Primer TWI escrito por Dwayne A. Butcher
    
TWI Cúpula Um encontro anual dos proponentes TWI
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...